entrevistas
Entrevista com Uno Tsunehiro sobre G no reconguista
segunda-feira, 19 de julho de 2021 às 19:44

Próximos Episódios
Mobile Suit Gundam: Hathaway's Flash (I)
Filme

7 de Maio de 2021

Gundam Build Divers Re:RISE
ONA

10 de Outubro de 2019

Gundam G no Reconguista II: Bellri, Kougeki!
Filme

21 de Fevereiro de 2020

Parceiros
Sobre o Autor: EXIA

Fã desde 2011 Conheçeu Gundam atraves de revistas especializadas em animes, sendo o primeiro Gundam que assistiria seria Gundam SEED.



E ai pessoal! Como vocês estão? Aqui e o Exia, e vamos trazer mais uma entrevista sobre Gundam pra galera?

Essa entrevista e uma parte dois daquela que foi trazida mês passado(link), e como nesta parte e outra pessoa que comenta sobre a série, achei melhor separar em duas partes beleza?

A pessoa em questão e Uno Tsunehiro, crítico social e editor-chefe da revista Planets. Autor de algumas obras de televisão como Zero-nendai no sōzōryoku e Ritoru pīpuru no jidai. Ele também e professor adjunto de cultura pop na universidade de Seika em Kyoto.

"É feito para ser difícil de entender."

O último trabalho de Tomino Yoshiyuki, Gundam: The Reconguista of G, que terminou em março, continua gerando polêmica mesmo meses após sua conclusão.

O futuro distante do Universal Century do Mobile Suit Gundam. Após inúmeras guerras espaciais, a civilização na Terra regrediu, e apenas usando a tecnologia do Século Universal em um grau limitado é que as pessoas continuam vivendo. A história segue um menino e uma menina na Terra enquanto eles são lançados em uma guerra em torno de resquícios da tecnologia UC, mas é quase impossível entender a história inteira de uma só vez. As conversas entre os personagens não parecem se encaixar, e as explicações mais básicas sobre a situação devem ser deduzidas das falas mais indiferentes. Uma quantidade enorme de informações que você só pode começar a entender depois de assistir novamente as gravações várias vezes enquanto faz anotações, e uma quantidade minúscula de explicação leva muitos espectadores a dizer que não as entendem. Na minha opinião, porém, é difícil de entender. O mundo real em que vivemos não tem uma narrativa com um ponto de vista que tudo vê para organizar e registrar todos os eventos. Cada pessoa tem suas próprias experiências separadas e distantes. Mundos fictícios, entretanto, são organizados; Visto e montado através dos olhos de seu criador. Em outras palavras, o século 20 foi uma época em que descobrimos que, embora contextos localizados tenham que ser compreendidos para que experiências reais tridimensionais sejam compartilhadas, realidades bidimensionais organizadas (imagens) poderiam ser compartilhadas amplamente através da sociedade facilmente, sem necessidade por esta. É como resultado disso que a mídia se expandiu e se tornou uma época em que sociedades massivas de escala sem precedentes poderiam ser administradas. A animação é basicamente uma realidade organizada e unificada, onde nada existe na tela que o (s) criador (es) não pretendiam colocar lá. Não é por acaso que a animação e o SFX dominam as paradas de Hollywood. A animação é a forma definitiva de expressão bidimensional, com o alcance mais amplo e distante. Então, por que Tomino Yoshiyuki escolheu criar, em tal meio, espaços separados e separados? O que temos aqui é uma mensagem forte e prematura. Nos dias de hoje, informações e visuais inundam as redes, e tudo o que você não conhece pode ser buscado e compreendido instantaneamente, e está começando a acontecer que as complicadas realidades distantes que a humanidade enfrentou no século 20 só podem ser encontradas em mídia com grande liberdade para fabricar, como anime. Pode ser que, devido à dependência da tecnologia da informação, os humanos estejam começando a abandonar a inteligência usada para conectar, organizar e compreender realidades isoladas. Esse tema, crítico da civilização, pode ser percebido em muitas outras obras de Tomino, mas em Reconguista de G isso se encontra não apenas na história, mas também na execução. Ao mesmo tempo, trata-se também de um ato que questiona novamente o poder da anime como forma de expressão de crítica na modernidade. Se você pensa assim, é precipitado simplesmente tratar Reconguista de G como um fracasso que não conseguiu explicar sua história.

No final, os Newtypes que Tomino uma vez nos mostrou podem ter sido pessoas com intelectos capazes de entender realidades isoladas sem depender de redes.

Redes Sociais