entrevistas
Entrevista com Gen Urobuchi sobre G no reconguista
terça-feira, 6 de abril de 2021 às 11:05

Próximos Episódios
Mobile Suit Gundam: Hathaway's Flash (I)
Filme

7 de Maio de 2021

Gundam Build Divers Re:RISE
ONA

10 de Outubro de 2019

Gundam G no Reconguista II: Bellri, Kougeki!
Filme

21 de Fevereiro de 2020

Parceiros
Sobre o Autor: EXIA

Fã desde 2011 Conheçeu Gundam atraves de revistas especializadas em animes, sendo o primeiro Gundam que assistiria seria Gundam SEED.



E ai pessoal, como e que vocês estão? Hoje vamos trazer uma entrevista de Gen Urobuchi sobre a série de G no reconguista, vamos ver o que ele falou sobre ela?

Mas afinal de contas, quem é Gen Urobuchi? Eu tenho certeza de que você já viu alguns animes dele e nem imaginou que ele estaria envolvido.

Sendo um escritor Japones, Gen Urobuchi ficou famaso por escrever histórias aclamadas pela crítica, como Mahou Shoujo Madoka Magica, que lhe rendeu o prêmio de melhor roteirista na Tokyo Anime Award. Dentre seus outros trabalhos famosos por todo mundo estão: Psycho Pass, Suisei no Gargantia, Fate/Zero, a trilogia Godzilla disponível no Netflix e também o seu trabalho mais recente que foi Obsolete, seria exclusiva do Youtube.

Essa entrevista foi publicada em 2015 na edição 10 da revista Type-Moon Ace, agradecemos também pela tradução que foi feita pelo blog Lost in Translation.

Os vilões de G-Reco são as pessoas que pegam o simples evento da “Crescent Ship que está vindo de Vênus" e adicionam suas próprias interpretações para transformá-lo em uma história com a qual eles podem mover o mundo.

Uma história é um método pelo qual se separa as coisas em boas e más por meio de sua imaginação. É um sistema necessário para que as pessoas se mantenham sãs e lidem com o caos irracional da realidade. A religião oferece a história da salvação, por exemplo. Da mesma forma, moral e ética podem ser definidas como a história mais popular das pessoas da época. Mas, embora essas histórias sejam inofensivas, desde que sejam usadas para manter a calma dos indivíduos, isso muda quando são usadas como ferramentas para um país ou raça. Histórias como "os judeus são uma raça inferior que deve ser expurgada" e "os capitalistas são demônios e se você os ataca com suicídio pode ir para o céu" traziam tragédias devido à sua popularidade. Para dar um exemplo em escala menor, não é incomum que uma história considerada como "pequena história de amor" por uma pessoa, acabe sendo, para o mundo em geral, o sequestro de um menor. Às vezes, as histórias são um veneno que pode levar uma pessoa à loucura. Isso apresenta um dilema para nós, criadores: Se existem infinitas possibilidades na escrita, é possível escrever uma história sobre o perigo potencial das histórias? Uma história que renuncia a histórias? Sim, é. Reconguista in G fez isso.

Reconguista in G me deixou “genki”

Os vilões de G-Reco são as pessoas que pegam o simples evento da “Crescent Ship que está vindo de Vênus" e adicionam suas próprias interpretações para transformá-lo em uma história com a qual eles podem mover o mundo. Exatamente a mesma coisa que ditadores e líderes de seitas fizeram ao longo da história. Belri os impede seguindo o fluxo e fazendo o melhor que pode para lidar apenas com o que está à sua frente. É por isso que não há dramaturgia intencional a ser encontrada na história que é mostrada de seu ponto de vista e, ao invés disso, é como ler o replay de um RPG de mesa ou assistir a um documentário no Discovery Channel em que você é deixado com um vago entendimento e ondulações sem um ritmo claro. O exemplo mais fácil de alguém enganado pelo perigo das histórias é Mask: Como um revolucionário apaixonado que busca libertar a casta e oprimida de Kuntala; a princípio, ele parece ser mais um herói do que o Belri, que apenas vagueia sem um objetivo claro. No entanto, no próprio show, a discriminação contra o Kuntala é apenas mencionada, e não vista uma única vez. Em outras palavras, no mundo de G-Reco, a discriminação contra o Kuntala existe apenas na imaginação de Mask, e esta é sua "história". E para completar essa história, ele força Belri a interpretar o vilão. Isso ocorre apenas porque a linhagem e os arredores de Belri contêm elementos que o tornariam um bom vilão para Mask. O fato de Belri não responder discutindo dramaticamente com seu velho amigo é o que torna G-Reco incrível. No final, Belri não se compromete com um bem maior ou destino ou qualquer coisa acima de seu nível pessoal, e a cada momento ele apenas faz o que pensa que deveria fazer no momento. Por mais que seu ex-amigo fique louco, Aida é mais importante para ele. E no final desse jogo unilateral de pega-pega, completamente deslocado entre o protagonista de um anime de robô e seu rival, o episódio final termina com o impensável, em que ele simplesmente abandonou a luta e fugiu em seu lutador central. Tudo o que resta são pessoas fortes o suficiente para viver sem as mentiras das histórias. Eles são libertados das maldições enfadonhas conhecidas como "catarse" ou "conclusões" e caminham em direção ao futuro. Quando vi os créditos finais, fiquei comovido e exclamei "eles conseguiram!". Eu estava preocupado com os limites da narrativa e estava grato por esse tapa de um criador veterano para mim. Reconguista in G me deixou “genki”.

Redes Sociais