Curiosidades
Curiosidades sobre Reconguista in G: Psycho-frames na serie?
terça-feira, 23 de março de 2021 às 9:44

Próximos Episódios
Mobile Suit Gundam: Hathaway's Flash (I)
Filme

7 de Maio de 2021

Gundam Build Divers Re:RISE
ONA

10 de Outubro de 2019

Gundam G no Reconguista II: Bellri, Kougeki!
Filme

21 de Fevereiro de 2020

Parceiros
Sobre o Autor: EXIA

Fã desde 2011 Conheçeu Gundam atraves de revistas especializadas em animes, sendo o primeiro Gundam que assistiria seria Gundam SEED.



E ai pessoal, tudo bem com vocês? Hoje trarei uma teoria bastante curiosa sobre G no reconguista que me veio a mente assistindo os filmes de compilação da série. Afinal de contas, será que temos provas convincentes de que a tecnologia dos psycho-frames, bem como os newtypes, está presente em G-reco?

UMA BREVE EXPLICAÇÃO SOBRE OS PSYCHO-FRAMES

Desenvolvido como a forma definitiva do sistema Psychommu criada pelo principado de Zeon. O Psycho-Frame é uma versão em miniatura do Psychommu, onde os chips responsáveis por traduzir as ondas cerebrais para a linguagem de máquina operam em tamanho atômico, com a estrutura do metal utilizado para criar o MS, possibilitando que o piloto consiga controlar sua máquina em um nível extremamente preciso.

AVANÇANDO NO TEMPO

Desde que o conceito do Psycho-frame foi criado, poucas unidades tiveram essa tecnologia implantada, dentre elas o Nu Gundam de Amuro em U.C 0093, as três unidades RX de Gundam Unicorn e Narrative em U.C 0096 ~ 0097, e também o Gundam F91 em U.C 0122. Todas as unidades tiveram a tecnologia implantada e cada uma trouxe um jeito diferente de usá-la, mostrando que o psycho-frame é bastante versátil. Ponto interessante é que em Gundam F91 ela é utilizada como uma tecnologia de apoio para o biocomputador do Gundam, onde vemos que eles preferiram não abusar desta tecnologia como foi antigamente.

Temos um fato curioso aqui, desde que o Psycho-frame foi descoberto, seus avanços na área de Mobile Suits aumentaram muito, e depois de um certo tempo, houve uma regressão e podemos imaginar duas coisas com isso. Ou eles sabiam que a tecnologia era algo que poderia trazer muito mais o mal do que o bem se não utilizada corretamente, ou os dados de acesso ao Psycho-frame foram quase que totalmente perdidos, restando poucas informações sobre o proceder de tal equipamento. Dentre as duas opções, imagino que a tecnologia possa sim ter sido perdida, e que apenas algumas pessoas teriam acesso a tal conhecimento.

G NO RECONGUISTA E O FATOR NEWTYPE

Enfim chegamos ao famigerado G no reconguista, e aqui, já abrimos a nossa conversa, trazendo a cena extra (LINK) do primeiro filme que me fez pensar sobre todo o texto.

Vocês conseguiram reparar na cena? O que ela pareceu para vocês? Se não entenderam, eu explico. Essa foi claramente a famosa conversa newtype, onde palavras não são ditas mas há um entendimento ali. Já vimos isso acontecer várias vezes na franquia, onde dois newtypes se comunicam sem a necessidade de estarem perto um do outro, como aconteceu com Lalah e Amuro na série original.

Se isso foi colocado por Tomino no filme como uma cena extra, está mais que claro que ele quis SIM que houvesse uma interpretação parecida. Vale lembrar que, quando entramos no U.C 0100, o conceito newtype fica esquecido, e muitas pessoas veem isso como apenas uma lenda de guerra. Eu comento um pouco sobre esse ponto em minha análise de Gundam Unicorn que soltei há um tempo atrás. E ainda mais longe, em F91 ou até mesmo em Victory Gundam os newtypes são citados, mas não há um interesse concreto sobre isso na trama, mostrando que ninguém liga mais se há newtypes no mundo ou não. E se no próprio U.C eles foram esquecidos, o que você acha que aconteceu com eles depois de vários e vários anos? Depois até mesmo que o calendário universal se foi, bem como os conceitos de Federação e Spacenoids, é claro que a lenda newtype também foi esquecida, mas não muda o fato que ainda nascem pessoas com tais poderes na trama, deve ser isso que Tomino quis que pensássemos. “A lenda se foi, mas eles ainda existem.”

A FAMÍLIA RAYHUNTON E OS PROJETOS DA ROSA DE HERMES

Como já expliquei anteriormente, quanto mais adiante de U.C nós vamos, menos menções ao psycho-frame e aos newtypes aparecem, e com isso podemos ver que, tanto a Federação quanto os Spacenoids decidiram não utilizar mais essa tecnologia, nascendo a primeira tecnologia proibida de U.C. Só que a sua proibição aparentemente foi apenas entre o povo que vivia na Terra, pois Towasanga, que é uma nação colônia localizada na lua, continua com a sua alta tecnologia de eras passadas. Sendo os sobreviventes dos últimos Spacenoids da era universal, um conflito estourou em Towasanga entre a família real Rayhunton e a família Dorette, que culminou na erradicação da família Rayhunton, bem como o sumiço de duas crianças da família. Com os Rayhunton extintos, os famosos projetos da Rosa de Hermes começaram a ser produzidos. Tais projetos não são totalmente explorados na série, mas o pouco que se sabe é que são tecnologias de eras passadas que foram guardadas pela família. Um dos poucos dados que foram extraídos da Rosa de Hermes foi nada mais, nada menos que o Gundam protagonista da série: G-self.

G-SELF, PSYCHO FRAME E A CONEXÃO COM NEWTYPES

Vamos adiante com a nossa teoria, temos agora um dos poucos projetos que saiu da Rosa de Hermes, o Gundam G-self, que foi construído pelos então seguidores da família Rayhunton que sobreviveram a purga em Towasanga. Eles o construíram e colocaram um “código” para identificar as duas crianças perdidas dos Rayhunton, o Código Rayhunton.

É dito que esse código contém dados biológicos das duas crianças, e que, ao entrar em contato com elas, o MS reagiria, e protegeria as crianças, isso é bem familiar não? Caso não, vou refrescar a memória de vocês, a premissa do sistema do Código Rayhunton é procurar duas pessoas com traços específicos entre todos os outros, e é bastante semelhante a como funciona o NT-D system do Gundam Unicorn, que funciona como um detector de newtypes. Quando na presença de um, ele é ativado e age de acordo com a vontade do piloto, muito parecido ao sistema que o G-self tem, onde ao entrar em contato com Aida e Bellri ele rapidamente é ativado, e aparentemente liberando funções que nem os pilotos conhecem ao certo. Fato esse, que em seus dados é dito que ele usa uma tecnologia nova chamada Photon Frame, e que só é dito que é um novo tipo de energia e que de vez em quando externa ela em forma de luzes.

E não, eu não estou falando do efeito dos psycho-frames que vemos no U.C, beleza? Estou falando do G-self. E sim, é muito semelhante ao fato de, ao ser pilotado pela pessoa certa a máquina fazer tal coisa não é? Também temos um detalhe muito interessante que, tanto Bellri quanto Aida possuem um medalhão, e que ele parece reagir com a máquina e o piloto quando os mesmos estão em perigo, muito semelhante ao T levado por Chan no filme de Char’s Counter Attack.

Diante de todas essas provas e teorias, vamos voltar para a pergunta inicial desta investigação: Afinal de contas, existe mesmo psycho-frames em G no Reconguista? A minha resposta é sim, mas ao mesmo tempo não. O sim seria pelo fato de que, tudo o que mostrei aqui não é coincidência, ainda mais se tratando do Tomino, que sempre traz algo novo para as suas obras mas que também nunca esquece as raízes de suas obras Gundam, então eu acredito que a cena extra serviu sim para fazer as pessoas pensarem que os Newtypes existem em G-reco, mesmo elas não sabendo disso, e apenas sendo tratados como pilotos de sorte ou prodígios. Sobre o psycho-frame em si, eu também julgo que ele fez de propósito em Reconguista, trazendo os mesmos conceitos de uma tecnologia usada em U.C para uma série que se passa muito a frente deste universo, dando assim, a “desculpa” de que, como eles não sabem com o que estão lidando, eles podem muito bem dar um outro nome para ela.

O não, por sua vez, é também por se tratar do Tomino na área. Ele nunca vai alegar 100% que existe tais coisas na história, uma vez que ele faz o plot ser desse jeito justamente para que as pessoas não procurem referência em outros Gundams. O fato de eu não bater o martelo sobre essa teoria se dá também que, do mesmo jeito que ele deixa pistas sobre isso, ele pode simplesmente alegar que não tem nada a ver com os psycho-frames e que tudo é especulação, afinal, estamos falando com o cara que fez a história, não é? Sendo assim, ele busca referências de suas obras passadas para criar coisas novas, mas quando procuramos as respostas nas mesmas obras que ele fez, ele prefere negar, e dizer que tudo é especulação, difícil não é?

E isso pessoal, o que vocês acharam desta teoria? Assim como eu, vocês acham que essas provas são suficientes para comprovar a presença dos psycho-frames em Reconguista? Deixem ai nos comentários e ate a próxima!

Redes Sociais