entrevistas
Entrevista com Yoshiyuki Tomino e Hideaki Anno PARTE 1
terça-feira, 24 de setembro de 2019 às 21:35

Próximos Episódios
Mobile Suit Gundam: Hathaway's Flash (I)
Filme

2020

Gundam Build Divers Re:RISE
ONA

10 de Outubro de 2019

Gundam Reconguista in G I: Ike! Core Fighter!
Filme

29 de Novembro de 2019

Parceiros
Sobre o Autor: EXIA

Fã desde 2011 Conheçeu Gundam atraves de revistas especializadas em animes, sendo o primeiro Gundam que assistiria seria Gundam SEED.



Ola pessoal! Passando por aqui para trazer um entrevista do nosso grande Tomino acompanhado de outra grande lenda dos animes, Hideaki Anno, criador de Neon Genesis Evangelion, com um tema bem intrigante: Victory Gundam. Vamos conferir?

Antes de mais nada, como a entrevista é bem extensa, vou separá-la em duas partes, ok? Vamos lá!

O artigo a seguir foi originalmente impresso na edição de julho de 1994 da Animage. A entrevista foi traduzida pelo usuário do Twitter @NohAcro, e disponibilizada pela galera da Wave Motion Cannon, cujo link do site estará no final do post.

Crianças japonesas desviam os olhos de coisas repulsivas…

Esta conversa foi possível graças ao Hideaki Anno expressar seu desejo de falar com o diretor Tomino, durante a entrevista para a edição especial de V Gundam, sendo também um fã dedicado. Anno expressou sobre como considera V Gundam como o melhor anime de TV dos últimos anos, e Tomino falou sobre como expõe sua paixão, e visão próprias sobre como a civilização ou as obras deveriam ser. Esta conversa cobriu uma grande variedade de tópicos.

Antes de mais nada vamos conhecer um pouco de cada um desses dois?

Yoshiyuki Tomino: Nascido em 5 de maio de 1941 na prefeitura de Kanagawa. Tipo sanguíneo AB. Ele ingressou na Mushi Production em 1964, após se formar na Nihon University College of Art. Seu primeiro trabalho como diretor de episódios foi em Tetsuwan Atom (Astro Boy). Depois de deixar a Mushi Pro, ele participou de muitos animes de TV como freelancer. Foi diretor de supervisão em Triton of the Sea. Ele é reconhecido principalmente por seus trabalhos com a Sunrise depois de Raideen e Zambot 3. Ele marcou toda uma geração com o grande sucesso de Gundam, participando do boom do anime.

Hideaki Anno: Nascido em 22 de maio de 1960 na prefeitura de Yamaguchi. Tipo sanguíneo A. Ele se tornou animador depois de criar o DAICON III, durante seus estudos na Universidade de Artes de Osaka. Foi animador chave em Macross. Diretor de efeitos de animação na Royal Space Force. Primeiro crédito na direção de Top wo Nerae!/Gunbuster. Vê a si mesmo como pertencente à geração de fãs de anime/tokusatsu, e também é fã de trabalhos do Tomino, desde Zambot 3.

Uma série Gundam feita com consciência do horário das 19 horas

Hideaki Anno: Esta entrevista veio tarde demais. Deveríamos ter planejado enquanto o anime ainda estava no ar.

Yoshiyuki Tomino: Mas acho que não tivemos muita escolha com V Gundam. A série fluiu para muitas direções mas acabou sem foco. Não recebemos muitas cartas, as classificações dos espectadores permaneceram baixas...

Anno: Afinal, apenas crianças pequenas assistem TV naquele horário.

Tomino: Mas eu pensei que seria capaz de fazer as pessoas assistirem não importasse o momento. Bem, essa é sempre minha intenção quando eu crio (risos).

Anno: No final, acho que não foi tão simples para as crianças.

Tomino: Isso foi porque me disseram que seria exibido no horário das 19:00, e não das 17:00 horas, então começamos a produção baseados nisso. É claro que pretendia uma correção de curso, mas ainda não consegui fazê-lo. As correções em si não são uma coisa ruim; em minha mente, conseguimos extrair a história um pouco de sua dificuldade de compreensão inicial graças à tais correções. Eu gostaria de ter dado a série uma melhor representação, é algo de que me arrependo muito como profissional. Foi por isso que apoiei G Gundam, o que de fato é bastante problemático se focarmos no nome ‘Gundam’. Mas percebi que, para continuar criando programas para o horário das 17:00 horas, a Sunrise deveria mudar suas prioridades saindo do foco em nomes para levar em consideração os intervalos de tempo, e foi por isso que apoiei. G Gundam é um trabalho de outra pessoa, mas não é simplesmente desconectado ao meu. Estou ansioso para ver sua aceitação.

Anno: Tenho esperança em G Gundam. Eu acho que as crianças vão gostar. Mas acho que trabalhar com relacionamentos complicados como em V Gundam já não atrai mais as crianças. Na realidade, mesmo pessoas com cerca de 20 anos preferem coisas mais leves agora, e ficam cada vez mais relutantes quando questões problemáticas são abordadas.

Tomino: Eu penso da mesma maneira. E foi por estar ciente dessa tendência atual que forcei as primeiras situações em V Gundam, quando pensei que poderíamos fazê-lo naquele horário, assumindo um público mais amplo. Então, quando tentamos refazê-lo mais tarde, as raízes eram profundas demais para serem completamente corrigidas. Foi um azar para V Gundam, mas acho que tentar usar a perspectiva do horário das 17:00 horas no processo de refazê-lo foi uma experiência significativa para mim. Acima disso, e levando em consideração o resultado de G Gundam, gostaria de estudar como adaptar nossos trabalhos ao mercado atual, baseado em tendências, quando tiver a oportunidade de fazê-lo. No entanto, não pretendo criar produtos em conformidade com a preferência do espectador em relação a coisas mais leves. Afinal, já existem muitos trabalhos nesse mercado, não faria sentido se eu adotasse a mesma postura ao criar. Eu aprenderia seus métodos, mas não me aproximaria deles no conceito. Além disso, acho que a propensão do mercado hoje será levada à direções mais extremas, e que também será seguida de perto por uma era na qual será considerada um fenômeno doentio. Então será bom que as pessoas percebam que, mesmo naquela época, existiram obras como estas.

Anno: Penso fortemente da mesma maneira.

O perigo de uma sociedade em que marketing é justiça.

Tomino: Para ser sincero, acho que o maior problema no Japão são os funcionários de empresas ou especialistas em economia. Esses adultos estão se aproximando dos jovens por causa dos negócios. Não há nenhum adulto para estabelecer uma antítese perante eles, então acho que o problema real não vem dos jovens em si. Eu não sou um estudioso, então não posso explicar o porquê, mas um exemplo concreto que posso dar são Os Beatles. O importante, é que Os Beatles nasceram na Inglaterra: o país é estritamente construído sobre as tradições dos adultos - e Liverpool, de todos os lugares, é apenas uma cidade triste, indutora de lágrimas em seus habitantes. Esses rapazes comuns tocaram guitarra em um lugar tão sombrio e deprimente, sabendo que ficar no país não mudaria nada, mas não tinham ideia do que fazer sobre isso... Eles continuaram com suas posições, mas no final tiveram que se mudar para a Alemanha para encontrar uma oportunidade de começar sua carreira. Na minha opinião, essa é a chave para pensar sobre esse problema. Os Beatles nasceram graças ao seu fardo, chamado Inglaterra. Tais pessoas não teriam saído dos Estados Unidos. Agora, compare isso com a Tóquio de hoje em dia, onde velhos como você e eu estamos reunindo estudantes do ensino médio para realizar sessões de planejamento, dedicando todos os esforços para produzir produtos de acordo com o gosto deles. Eles não reconhecem outra autoridade senão manter seus próprios trabalhos, seus negócios funcionando, e não mostram nada de sua postura como adultos. Eu acho que é isso que está colocando o Japão fora de ordem. Não sei se está certo ou não, mas, na minha opinião, esse é o valor de envelhecer. Quando os jovens dizem que estão "desatualizados" ou os chamam de "velhos", por que eles não podem apenas responder: "Vivemos assim, o que há de errado nisso?" Não seria mais correto se eles jogassem seu conhecimento, seus valores que construíram sobre sua própria vida sobre as pessoas mais jovens? Uma sociedade em que os velhos apenas criam produtos atraentes para os jovens, e serem admirados como "Uau, você é um senhor incrível!", fazendo a própria empresa florescer é estruturalmente falida.

Anno: O problema vem das estratégias de marketing e do consumo em massa. Também da TV.

Tomino: Se perguntamos se uma justiça demonstrada por coleta e avaliação de dados é a verdade, perceberemos rapidamente que ela adequada apenas do ponto de vista da eficiência, e não é isso que forma seres humanos. Os Beatles nasceram protestando contra a pressão de um país com forte discriminação social remanescente, e os idosos não participaram absolutamente em nada na construção de suas políticas e valores. Pondo de lado a questão de saber se esse tipo de sociedade é boa ou não, não tenho dúvidas de que a relação entre idosos e jovens deve ser assim. Então, como eu disse, no meu caso, o problema vem da representação em um trabalho, e devo refletir sobre o meu, para aperfeiçoá-lo, como autor. Mas quando se trata de minha política, ainda não vou mudá-la, pois não acho que esteja errada. Se fosse o caso, apenas me aposentaria. Na atual sociedade japonesa construída por adultos, novamente, nenhum deles está aqui para criar uma antítese em relação aos jovens. No entanto, acho que as pessoas, como economistas ou funcionários de empresa, não perceberam a ameaça disso. Tudo é feito para se ter eficiência econômica. Para dar um exemplo próximo da animação, pense nos designs dos carros de passeio. Eles realizam pesquisas de mercado, mantêm as mais vendidas, e assim por diante, até o ponto em que todos os fabricantes tiveram aproximadamente os mesmos designs nos últimos 10 anos. E quando uma grande mudança de modelo surgiu há 2 anos, essa tendência se mostrou evidente na sua pior forma, pois todos sentiam que aquele novo modelo não era do seu gosto, apesar de existirem apenas os mesmos tipos de modelos. Existem muitos fabricantes por aí, poderíamos ter coisas completamente diferentes uma da outra, mas todos os seus bancos de dados são orientados na direção de informações demográficas dos mais jovens, de modo que todos compartilham a mesma base. Os mais velhos colocam todos seu esforço na coleta desses dados e criam de acordo com o mercado, para que todos os produtos sejam parecidos. Há tantos carros nas ruas, mas não há mais prazer em vê-los. Isso é uma coisa terrível, não acha?

Anno: De fato, não consigo mais dizer a diferença.

Tomino: Não é nada interessante. Não entendo como as pessoas mais jovens ainda conseguem gostar de carros.

Anime também cai em um turbilhão de tendências

Tomino: V Gundam teve problemas reais como um trabalho, e eu tenho que entendê-los como criador. Mas a vantagem do entretenimento, é que você é capaz de expressar sua opinião de maneira bem explícita. Não vou ficar defendendo a série, e não posso, pois não consegui representá-la satisfatoriamente. Mas, na minha opinião, existem coisas que eu pretendia em V Gundam que as pessoas de 20 ou 30 anos não conseguiriam fazer. No entanto, se você não gostou do que eu expressei, incluindo a parte “O que há de errado!”, não me importo se você for radicalmente contra. Eu até quero que você faça isso. Poderia ser feito do seu jeito, Anno-san, ou de qualquer outra pessoa, mas quando tal pessoa coloca esforço o suficiente na direção contrária a tudo o que fiz, é quando algo realmente novo surge. Eu acho que a razão pela qual o anime hoje em dia carece de tanta emoção, é por causa da lógica de marketing dos pais: tentar criar de acordo com as tendências atuais, esse é o turbilhão em que estão caindo.

Anno: Sim, de fato.

Tomino: Mesmo quando falamos de variedade, geralmente ouvimos coisas como “Em resposta aos requisitos do usuário” ou “para atender à demanda do cliente”, mas o que nos são oferecidos são apenas diferenciações dentro de uma faixa muito estreita de possibilidades, não uma variedade real na minha opinião.

Animage: (para Anno) Quando você nos contou sobre isso na edição da Animage de maio, mencionou que a única solução seria a diversificação.

Anno: Por outro lado, acho que o anime hoje em dia foi longe demais dentro de seu nicho, a ponto de em breve entrar em colapso.

Tomino: Não era apenas com anime, houve um período de tentativas generalizadas de diferenciação e diversificação, dizendo coisas como “a individualidade era importante”. Houve também o ‘cuidado com a identidade’, que foi importado recentemente para o idioma japonês. No fim, tudo permaneceu com uma margem muito estreita. Gostaria que todos saíssem um pouco mais e soubessem como diferentes tipos de pessoas interagem. Estamos divergindo demais aqui... vou voltar a falar sobre V Gundam (risos).

E ai pessoal? Estão gostando da entrevista? A parte final vai sair mês que vem, então fiquem ligados no nosso site ok? Ate a próxima!

Redes Sociais